O COMUNICADO QUE DESMORALIZA QUALQUER DISCURSO

O comunicado abaixo está posto no Hospital Ruy Pereira, que cancelou 16 cirurgias ortopédicas esta semana e é do Governo do Estado.

É um texto que desmoraliza o que já não tem moral, decência ou sensibilidade humana.

HÁ 17 ANOS, A VIRADA DO SÉCULO

A Virada do Século completa 17 anos nesta 4ª-feira. Foi no dia 20 de dezembro de 2000 que o Vasco obteve não só uma das maiores vitórias de seus 118 anos como também de toda a história do futebol mundial: após ter ido para o intervalo perdendo para o Palmeiras por 3 a 0, voltou para o segundo tempo arrasador e virou o jogo para 4 a 3, mesmo no campo do adversário e com um homem a menos. A façanha valeu ao Gigante da Colina o título da Copa Mercosul, competição que reunia as grandes equipes do continente.

Ficha técnica do jogo:

PALMEIRAS 3 X 4 VASCO

Competição: Copa Mercosul (Final – 3º Jogo).

Data: 20.12.2000 (Quarta) às 21h45min.
Estádio: Parque Antártica, em São Paulo (SP).

Árbitro: Márcio Rezende de Freitas (MG), auxiliado por Jorge Paulo Oliveira Gomes (DF) e José Carlos Silva Oliveira (RS).

Público: 29.993 pagantes. Renda: Não divulgada.

Cartões Amarelos: Flávio 30″ do 1º, Juninho 43″ do 1º e Fernando 14″ do 2º (Palmeiras); Nasa 19″ do 1º, Odvan 21″ do 1º, Júnior Baiano 34″ do 1º, Jorginho Paulista 15″ do 2º e Hélton 46″ do 2º (Vasco).
Cartões Vermelhos: Júnior Baiano 32″ do 2º (Vasco).

Gols:
Arce (pênalti de Júnior Baiano) 36″ do 1º – Palmeiras 1 a 0.
Magrão 37″ do 1º – Palmeiras 2 a 0.
Tuta 45″ do 1º – Palmeiras 3 a 0.
Romário (pênalti sofrido por Juninho Paulista) 14″ do 2º – Palmeiras 3 a 1.
Romário (pênalti sofrido por Juninho Paulista) 23″ do 2º – Palmeiras 3 a 2.
Juninho Paulista (rebote após chute de Viola) 41″ do 2º – 3 a 3.
Romário (rebote após chute de Juninho Paulista) 48″ do 2º – Vasco 4 a 3.

PALMEIRAS: Sérgio, Arce, Galeano, Gilmar e Thiago Silva; Fernando, Magrão, Flávio e Rodrigo Taddei; Juninho e Tuta (Basílio 31″ do 2º). Técnico: Marco Aurélio.

VASCO: Hélton, Clébson, Odvan, Júnior Baiano e Jorginho Paulista; Nasa (Viola, intervalo), Jorginho (Paulo Miranda 31″ do 2º), Juninho e Juninho Paulista; Euller (Mauro Galvão 42″ do 2º) e Romário. Técnico: Joel Santana.

GREVE DE POLICIAIS DEIXA JUSTIÇA FEDERAL EM ALERTA

A greve dos policiais militares , motivada por atraso de salários levou o Gabinete de Segurança Institucional  da Justiça Federal a emitir comunicado(acima), assinado pelo seu comandante, o Coronel Túlio César, com recomendações aos magistrados.

1a TURMA DE JUIZADOS ESPECIAIS SENTENCIOU MAIS DE 4 MIL RECURSOS ESTE ANO

A 1ª Turma Recursal dos Juizados Especiais do Rio Grande do Norte apreciou 4.141 recursos no ano de 2017, entre decisões colegiadas e monocráticas. Com isso, praticamente todos os processos dos anos anteriores foram julgados, restando apenas um, autuado em 2016 e retirado da pauta do dia 14 de dezembro de 2017 a pedido do advogado da parte.

Em março de 2017, quando assumiu a nova composição do colegiado, o acervo existente era de 1.554 feitos, sendo reduzido agora para 767 recursos, que serão incluídos em pauta no primeiro semestre de 2018.

A 1ª Turma Recursal é composta pelos magistrados Francisco Seráphico da Nóbrega Coutinho (que a preside), Valdir Flávio Lobo Maia e Ana Carolina Maranhão.

Desde agosto de 2017, o juiz Francisco Seráphico está com pauta zero, levando à sessão seguinte todos os processos recebidos na semana.

“Esperamos, em 2018, implementar, ainda mais, a efetividade e eficiência nos julgamentos, propiciando ao jurisdicionado, em menor tempo, o atendimento aos princípios da Celeridade e do Acesso à Justiça”, disse o juiz Valdir Flávio Lobo Maia, também integrante da Turma de Uniformização de Jurisprudência das Turmas Recursais.

São suplentes do órgão os magistrados Francisco Gabriel Maia Neto, Flávia Sousa Dantas Pinto e Andrea Cabral Antas Câmara.

CONHEÇA O ABC PARA A TEMPORADA 2018

Confira como ficou o elenco alvinegro após todos os reforços anunciados:

Goleiros: Edson, Gomes e Rodrigo Carvalho;

Laterais-direito: Arez e Vitinho;

Laterais-esquerdo: Alisson, Yan Petter e Igor;

Zagueiros: Cleiton, Vinícius, Samuel, Henrique, Tonhão e Alexandre (base);

Volantes: Anderson  Pedra, Murilo, Felipe Guedes, Jardel e Bebeto (base);

Meias: Erivélton, Chiclete, Fessin, Ítalo Bocão e Léo Ávila;

Atacantes: Matheus, Lauder Perez, Maxwell e Jackson.

SANDERSON NEGREIROS E UM POEMA

José Sanderson Deodato Fernandes de Negreiros morreu neste 19 de dezembro de 2017 aos 78 anos de idade como capitão de um escrete de supercraques  do texto.

De uma geração luminosa no jornalismo, na poesia, na crônica, no conto, na boemia, no domínio pleno das palavras. Timaço de um tempo dourado em que em redação de jornal só cabia talento: Sanderson, Luís Carlos Guimarães, Berilo Wanderley, Rubens Lemos, pai.

Todos, para sempre, entre as estrelas.

A Sanderson, um poema dele. Perfeito como ele foi:

VIII

A orquídea de tua mão
por que não será orquídea
a orquídea de tua mão?
Maio, ápice de teus desvios?
Consulto e
já tens partido.

IX

Aves ardem
portos barcos muros.
O sol cancioneiro
veleja em hábil azul.
E, baixo, desliza
o pomo de seu gasto sossego.

X

O fulgor é de constelação
partida. Por isso,
trabalho vozes diárias
entre os arcos do mundo
porque o mundo comum
é comum à mortal certeza.

XIV

Não arquitetes o som.
Não estrutures o nada.
A fome basta ao hábito
de ser.
Basta ao homem o nome de
Homem. Seu sono. Sua dor.

 

RN JÁ É RASCUNHO DO DESASTRE DE ALAGOAS COM SURUAGY

Ninguém quer que aconteça, mas a continuar o caos social, a inércia do Estado, a falta de pagamento, a revolta do funcionalismo provocada pela miséria, o Rio Grande do Norte atual é o rascunho de um quadro horripilante: a Alagoas do governador Divaldo Suruagy. Foi assim:

No 17 de julho de 1997, depois de muitas greves e protestos, uma manifestação de servidores públicos composta principalmente por policiais civis e militares cercou a Assembleia Legislativa exigindo o afastamento do governador Divaldo Suruagy(falecido em 2015). Eram nove meses de salários atrasados.

O Exército havia colocado vários soldados para proteger a sede do poder legislativo e a Praça D. Pedro II, que era cercada por grades de ferro.

Como resposta, manifestantes armados invadiram a Biblioteca Pública e ficaram em posição de tiro nas suas janelas superiores.

Após perder a praça, o Exército recua para proteger a Assembleia Legislativa.

Com os deputados sitiados na Assembleia, os manifestantes derrubaram as grades e invadiram a praça.

Foram ouvidos vários tiros durante a derrubada das grades da praça. Houve tumulto e oito pessoas ficaram feridas.

Diante da possibilidade da invasão da Assembleia, às 13h35, os deputados votaram às pressas o pedido de afastamento por seis meses do governador.

O vice-governador Manoel Gomes de Barros assumiu o governo.

Percebendo que não havia mais condições de retornar ao governo, Divaldo Suruagy apresentou sua renúncia no início 1998.

O Rio Grande do Norte de hoje, gestão medíocre e sem coragem de medidas impopulares no início, vive seu instante mais delicado.

CUIDADO: BANDIDAGEM ESTÁ PRONTA PARA ATACAR

Sem polícia, reagindo dignamente por seus direitos salariais, o que é péssimo deve ficar pior.

Portanto, cuidado e sair de casa somente para o inevitável.

A bandidagem está em festa.

AL AO SUSPENDER VOTAÇÃO DE AUMENTO PREVIDENCIÁRIO: “PRUDÊNCIA E SEGURANÇA JURÍDICA “

A Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte emitiu uma nota sobre a votação do regime previdenciário no Poder Legislativo Estadual, confira na íntegra:

A Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte vem a público anunciar que – em razão da decisão manifestada ontem pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Ricardo Lewandowski, que suspendeu o aumento da contribuição previdenciária para servidores públicos – NÃO HAVERÁ VOTAÇÃO do regime previdenciário no Poder Legislativo Estadual.

A decisão tem como base a prudência e, dessa forma, a Assembleia apreciará a matéria após definição nacional, com base no princípio da segurança jurídica.

Palácio José Augusto
Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte

CAOS NO RN : “A PM PAROU Ô, A PM PAROU Ô”

Estourou o caos no Rio Grande do Norte. A ajuda federal foi brecada por uma decisão ministro do Supremo Tribunal Federal(STF), Ricardo Lewandowisk, proibindo aumento de contribuição previdenciária de 11% para 14% para servidores públicos, condição para o envio do dinheiro.

A Assembleia Legislativa – de forma responsável – suspendeu a votação de hoje que definiria aumento da alíquota até posterior decisão do Supremo.

A conta por eventual aprovação se considerada irregular cairia sobre o Poder Legislativo que tomou uma decisão preventiva.

Sem salários, PMs ocuparam o pátio da Governadoria e, inflamados, sem salários, anunciaram paralisação. Veja vídeo em  manifestação anterior: