CÂMARA MUNICIPAL HOMENAGEIA DESEMBARGADOR CLÁUDIO SANTOS

Por iniciativa do vereador Felipe Alves(PMDB), o desembargador Cláudio Santos foi homenageado com a medalha do Mérito Legislativo da Câmara Municipal de Natal. A medalha foi entregue pelo vereador à filha de Cláudio Santos, Danusa Alvarenga Santos.

JORNALISTA CONTA, EM LIVRO, RACHA NA FAMÍLIA ROSADO

No próximo dia 21 de dezembro, às 19h30, no Memorial da Resistência, em Mossoró, o jornalista Bruno Barreto lança o livro “Os Rosados Divididos: como os jornais não contaram essa história”.

O trabalho é fruto da dissertação de mestrado em ciência sociais e humanas da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN) sobre a cobertura dos jornais da cidade de Mossoró durante o período em que a tradicional família Rosado se dividiu politicamente. “Foram pesquisados mais de duas mil edições dos jornais Gazeta do Oeste e O Mossoroense entre 1980 e 1988 em um ano de pesquisa documental”, explica.

A versão em livro passou por alguns ajustes para se tornar mais acessível ao eleitor sem perfil acadêmico. “Fizemos alguns cortes na parte mais teórica para ir direto ao assunto que interessa ao leitor ligado em política, mas a essência do livro é a mesma da dissertação”, frisou.

A obra tem apresentação do jornalista e professor de comunicação social aposentado Emanoel Barreto, tio do autor, que destaca a convergência entre história e jornalismo. “O homem de imprensa sabe que o tempo é um jogo de armar, especialmente quando trabalha com a pastosa e inconstante bricolagem da política. O livro de Bruno mostra isso em sua organicidade de obra que trata da história enquanto notícia e da notícia como elemento que integra a historicidade do microcosmo mossoroense”, frisa.

O prefácio fica por conta do jornalista Carlos Santos, profundo conhecedor da política mossoroense e do Rio Grande do Norte. Ele destaca a abordagem equilibrada em torno de um tema até hoje delicado em Mossoró. “O jornalista não faz condenação sumária da mídia impressa, nem manda os Rosados para o cadafalso por livre arbítrio ou sadismo. Tudo é posto à mesa para que o próprio leitor tire suas conclusões, que podem divergir das suas. Outro detalhe: não adota a dialética erística de Arthur Schopenhauer para impor sua razão a qualquer custo e ponto final”, analisa.

O lançamento do livro marca os dez anos de graduação em comunicação social de Bruno Barreto. “As coisas acabaram convergindo para que fosse nessa data especial para mim”, frisa o autor.
O livro pode ser comprado diretamente com o autor por meio de contato nas redes sociais ou pelo telefone 9.8889-3574.

CURRÍCULO

Bruno Barreto é jornalista graduado em comunicação social pela UERN, especialista em assessoria de comunicação pela UnP e mestre em ciências sociais e humanas pela UERN.
Já foi editor de política do Jornal O Mossoroense e apresentador do programa Observador Político. Atualmente é diretor da Agência de Comunicação da UERN, editor do Blog do Barreto e apresentador e comentarista político da 95 FM e TCM.

ASSASSINATOS, UM RECORDE PARA O GOVERNO ROBINSON CHAMAR DE SEU

Há uma pavorosa disputa alardeada nas bizarras redes sociais.

Morreu mais gente assassinada no atual governo ou no anterior?

Esse recorde,  o governo Robinson Faria pode chamar de seu.

Em três anos, bateu Rosalba em quatro temporadas.

Até 12:32 desta segunda-feira, o placar fúnebre:

Governo Robinson: 5.957 homicídios
Governo Rosalba : 5.732 homicídios

Falta um ano de Robinson Faria.

Tá pintando goleada macabra sobre a antecessora.

A cada culpa jogada nos traficantes, morrem de novo os cidadãos e cidadãos de bem – muitos deles eleitores do Governo da Morte.

UM ANO SEM FURÃO, ETERNO MASSAGISTA DO ABC

Há exatamente um ano, estávamos sepultando o corpo de um dos maiores personagens do futebol potiguar.

Antônio Gomes, o Furão, morreu aos 58 anos ao tentar um transplante de fígado. Sofria problemas hepáticos. Foram 35 anos dedicados ao ABC.

Menino, apreciador das travessuras, vibrava quando Furão invadia o campo impecável do também morto Machadão em pique de velocista, chegava ao jogador machucado, freava e dava três pulinhos que faziam a torcida alvinegra delirar.

Furão, mais que saudade, é um tempo que se foi.

FESTIVAL GASTRONÔMICO HOMENAGEIA CHEF GLÁUCIA VERAS E TERMINA HOJE COM A CULINÁRIA DE CAICÓ

Foto 1: Emoção da família de Gláucia Veras

Foto 2: Culinária do Seridó

Depois de partilhar emoções e receitas em família e conhecer novos pratos preparados por grandes chefs, o Circuito Gastronômico de Natal chega ao seu último dia neste domingo (17) na praça Pedro Velho (praça Cívica), no bairro de Petrópolis. A partir das 17h, o domingo na praça dará o tom de véspera de natal como aula de confeitaria para crianças e adultos, realizada pelo chef vencedor do Desafio dos Confeiteiros Ricardo Galvão, além da chegada do Papai Noel e a final de temporada do espetáculo “Meu Seridó”. No encerramento, show de samba jazz com Dani Cruz e banda. Em torno de dez mil pessoas circularam pela praça Pedro Velho nos três dias de evento. O Circuito Gastronômico de Natal integra a programação do Natal em Natal. O evento tem patrocínio do Banco do Brasil e Prefeitura de Natal por meio da Lei Djalma Maranhão. A realização é de Walde Faraj e Dom Produções e Eventos.

Parque de diversões, estandes de degustações e espaço literário compõem as atividades na praça, além da presença dos estabelecimentos gastronômicos Paçoca de Pilão, 294 Bar e Restaurante, Ombak de cozinha praiana, Delícias da Macaxeira, Mediterrâneo Buffet, Hamburgueria 84, Ed do Acarajé, Camarão Gourmet, Tenda do Artesanato e Agricultura Familiar, Parque Infantil e espaço cultural.

O ponto alto da Cozinha Show foi a confraternização das famílias convidadas. A homenagem a Gláucia Veras contou com vários colegas chefs e familiares e o preparo da famosa Bacalhoada,um ensopado de bacalhau que está na família a várias gerações. Participaram a mãe, Marta Veras, filhas, netos e amigos. “Foi linda a homenagem”, lembrou a pesquisadora Adriana Lucena, que fez palestra antes da oficina. “Na minha palestra falei das ceias de natal da casa dos amigos, muito comum em Natal. E depois chamei dona Marta e Mara para cozinhar a receita. Ao final, os amigos chegaram para a homenagem a Glaucia”.

Outras famílias também mostraram a importância da cozinha como lugar de união. Ignez Motta foi de Strudel de frutas natalinas e Paulo Gallindo preparou uma massa com frutos do mar utilizando o fogão de pêndulo – uma boa dica para prato único de festas de fim de ano.

Outro momento bastante concorrido na Cozinha Show foi a presença da chef Irina Cordeiro, terceiro lugar no famoso reality show MasterChef Profissionais. Ela veio a Natal a convite do festival e escolheu como receita o famoso Peru recheado, a receita da prova de eliminação no reality show. Há alguns dias Irina Cordeiro foi agraciada como Personalidade da Gastronomia em 2017 – Categoria Revelação, na Assembleia Legislativa de São Paulo, pela sua postura e amor pelas suas raízes. Já o chef Thiago Gomes apostou nos sabores do caju para preparar sua torta de caju em 7 texturas. E Rodrigo Santana fez um prato bem nordestino: Suíno na nata com farofa de banana e feijão verde.

A programação do Circuito Gastronômico vai além da culinária e abraça o movimento de ocupação das praças reunindo vários segmentos culturais, como a música, o teatro e atividades lúdicas para crianças.

Fotos: Rogério Vital/Circuito Gastronômico de Natal

PROGRAMAÇÃO COZINHA SHOW

Domingo 17/11

Oficina com o vencedor do programa Desafio dos Confeiteiros – Ricardo Galvão

PROGRAMAÇÃO DO ESPAÇO CULTURAL

Domingo: 17 de Dezembro

17h Espaço Literário

Animação Infantil ( Palhacinho/ Pintura Artística / Escultura de Balões/Perna de Paus)

18h Espetáculo Meu Seridó – Titina Medeiros e grande elenco

18h00 Instrumental de Sax com Joedson Silva

19h30m

Apresentação Infantil Moab Alex

Chegada do Papai Noel

20h30min Show Dani Cruz ( Samba Jazz)

TSE DEFINE REGRAS DE PROPAGANDA ELEITORAL

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Gilmar Mendes, convocou sessão plenária extraordinária para segunda-feira (18), às 9h,. Na ocasião, deverão ser apreciadas as minutas de instruções que vão reger as Eleições Gerais de 2018, inclusive propaganda eleitoral.

Além de convocar a sessão extraordinária, o ministro Gilmar Mendes também anunciou que a sessão de encerramento do ano judiciário do TSE de 2017 ocorrerá na terça-feira (19), às 12h. Ambas as sessões serão transmitidas ao vivo no Canal da Justiça Eleitoral no YouTube.

OFICIAL PM DESABAFA: “DIFÍCIL TRABALHAR SEM TRÊS MESES DE SALÁRIO “

A cuíca segue roncando no lombo dos Policiais Militares do Rio Grande do Norte.

O Governo do Estado tripudia do desespero dos PMs sem salários, que ameaçam e não entram em greve por respeito à sua missão de proteger.

Mas quando a fome e a pilha de contas atrasadas chamam o olhar, bate a agonia.

O capitão PM Lenarte Azevedo, destemido oficial, usou a internet para publicar versos de protesto ilustrados pela foto de um dos seus filhos, um menino de 4 anos e seis meses.

“Difícil acordar para ir trabalhar, restando poucos dias para o ano se encerrar, o governo com três salários a pagar, notícia nenhuma há, e para acabar de completar, o seu filho veste seu uniforme para que você não se vá!”

Difícil é também fazer o poder, com toda a frieza peculiar, ter sensibilidade e socorrer a PM do seu pesar.

CORONEL AZEVEDO: SEGURANÇA PARA QUEM PRECISA

Nesta quarta-feira (13) o Coronel Azevedo, ex-Comandante Geral da PMRN, durante a assembleia unificada das associações de militares estaduais, voltou a defender o pagamento dos servidores públicos, alertando que “quem mais precisa” não pode pagar por segurança privada (vigilantes), nem por educação ou saúde particular. Neste sentido, “governar para quem mais precisa” é garantir serviços públicos de segurança, saúde e educação para os potiguares, e para isto, pagar os servidores que necessitam garantir a sobrevivência de suas famílias.
As associações marcaram nova assembléia para o dia 18 próximo, em frente à governadoria.

BRASIL, CAMPEÃO DA DESIGUALDADE

A desigualdade no Brasil é uma das maiores do mundo, segundo a Pesquisa Desigualdade Mundial 2018, uma compilação de dados globais coordenada pelo economista francês Thomas Piketty e divulgada nesta quinta-feira (14/12), em Paris.

Segundo dados do relatório, em 2015, 27% da renda do Brasil estavam nas mãos do 1% mais rico da população – a maior discrepância do planeta. Na comparação, o país aparece à frente, por exemplo, de Rússia (20%), EUA (20%), China (14%) e Índia (21%).

O resultado acompanha uma tendência mundial: a renda cresceu para todos, inclusive os mais pobres, mas foram os ricos que abocanharam a maior fatia do crescimento. Em suas estimativas, os economistas responsáveis pelo estudo se mostraram preocupados com o possível agravamento da situação global até 2050.

Os dados mostram que a desigualdade de renda aumentou desde 1980 em quase todas as regiões do mundo, mas o crescimento mais acelerado tem sido registrado na China, Rússia e Índia e na América do Norte. Enquanto os dados mostram que a fase de políticas mais igualitárias depois da Segunda Guerra terminou, as sociedades na América do Sul, África e no Oriente Médio se tornaram ainda mais desiguais.

De acordo com o estudo, intitulado World Inequality Report e que teve como um dos principais coordenadores Lucas Chancel, da Escola de Economia de Paris, além do próprio Piketty, autor do best-seller O Capital no século 21, a parte da riqueza nacional nas mãos de 10% dos contribuintes mais ricos passou de 21% a 46% na Rússia e de 27% a 41% na China, entre 1980 e 2016. Nos EUA e no Canadá, este índice passou de 34% a 47%, enquanto na Europa foi registrado um aumento mais moderado – de 33% a 37%.

Pódio da desigualdade

Mas houve exceções ao padrão de crescimento vertiginoso. “No Oriente Médio, África subsaariana e Brasil, as desigualdades permaneceram relativamente estáveis, mas a níveis muito elevados”, afirmou o documento.

As três regiões formam o pódio da desigualdade no mundo: África subsaariana (54%), Brasil e Índia (55%) e o Oriente Médio (61% da renda nas mãos dos 10% mais ricos). Segundo os pesquisadores, essas regiões são as “fronteiras da desigualdade”.

No caso do Brasil, o documento se baseia num estudo publicado em setembro por um discípulo de Piketty, o irlandês Marc Morgan. O trabalho gerou controvérsia, pois sugeriu que a desigualdade no Brasil é muito maior do que indicada em outras pesquisas, apesar dos avanços sociais observados nos últimos anos. Estes dados também se limitam ao período entre 2001 e 2015.

A renda nacional total cresceu 18,3% no período analisado, mas 60,7% desses ganhos foram apropriados pelos 10% mais ricos, contra 17,6% das camadas menos favorecidas. A expansão foi feita às custas da faixa intermediária de 40% da população, cuja participação na renda nacional caiu de 34,4% para 32,4%.

De acordo com o estudo, a queda se deve ao fato de que essa camada da população brasileira não se beneficiou diretamente das políticas sociais e trabalhistas dos últimos anos e nem pôde tirar proveito dos ganhos de capital (como lucros, dividendos, renda de imóveis e aplicações financeiras), restritos aos mais ricos.

Em termos de evolução, a divergência é “extrema entre a Europa Ocidental e os Estados Unidos, que tinham níveis de desigualdade comparáveis em 1980, mas se encontram atualmente em situações radicalmente diferentes”, destacou o estudo.

Em 1980, a parte da riqueza nacional nas mãos de 50% dos contribuintes mais pobres era quase idêntica nas duas regiões: 24% na Europa Ocidental e 21% nos EUA. Desde então, o índice permaneceu estável, a 22%, no lado europeu e caiu a 13% no americano.

De acordo com Piketty, um fenômeno que se deve pela “queda das rendas da menor faixa” nos Estados Unidos, mas também por uma “desigualdade considerável na área de educação e uma tributação cada vez menos progressiva neste país”.

A principal vítima desta dinâmica, segundo o relatório, baseado em 175 milhões de dados fiscais e estatísticas computadas pelo projeto wid.world (wealth and income database), é a classe média mundial.

Entre 1980 e 2016, o 1% dos mais ricos obteve 27% do crescimento mundial. Os 50% mais pobres receberam apenas 12% da riqueza, mas viram sua renda aumentar significativamente. O que não aconteceu com as pessoas entre as duas categorias, cujo “crescimento da renda foi frágil”.

Os autores do estudo anteciparam um novo crescimento até 2050, com base nas atuais tendências. A participação do patrimônio dos mais ricos aumentaria assim de 33% a 39%, enquanto a classe média mundial veria sua participação no patrimônio cair de 29% a 27%.

MPF ENTRA COM AÇÃO FAVORÁVEL A MENOS EXIGÊNCIA PARA POSSE DE ARMA DE FOGO

O Globo

BRASÍLIA — O Ministério Público Federal (MPF) em Goiás ajuizou nesta quinta-feira uma ação civil pública para que a Polícia Federal pare de exigir dos cidadãos que solicitam posse de arma de fogo a comprovação de necessidade dos artefatos.

O pedido atende ao pleito de grupos contrários ao Estatuto do Desarmamento, que se queixam da “discricionariedade” da PF ao analisar os requerimentos protocolados por civis.

O procurador da República Ailton Benedito de Souza, autor da ação civil, ataca o governo por usar duas regulamentações — Decreto 5.123/2004 e Instrução Normativa 23/2005 da PF – para prever a exigência de comprovação da necessidade das armas. Tais normas, para ele, são ilegais porque extrapolariam o Estatuto do Desarmamento, que requer apenas a “declaração de necessidade”, mas não comprovação, no caso de posse.

— Com efeito, de forma arbitrária e abusiva, (o governo) impede os brasileiros de proteger seus direitos fundamentais constitucionalmente tutelados, particularmente à vida, à liberdade, à propriedade e à segurança — afirma o procurador na ação.

Souza aponta que o Estatuto foi claro ao exigir “demonstração de necessidade” somente para obter porte de arma, diferentemente do requisito de “declaração de necessidade” no caso de aquisição e registro, que dão direito à posse. Com a posse deferida, o civil pode ter a arma em casa ou no local de trabalho, desde que seja o dono ou responsável legal pelo estabelecimento.

O procurador pede que a Justiça dê uma decisão em caráter liminar, antes mesmo do julgamento de mérito, para que a União seja proibida de usar as regulamentações supostamente ilegais.

Dessa forma, todos os pedidos de posse de arma deverão ser atendidos, desde que o cidadão cumpra os requisitos objetivos, como atestado de capacidade técnica, laudo de aptidão psicológica, entre outros.

Além disso, o MPF quer também que o Ministério da Justiça, por meio da PF, revise todos os requerimentos de aquisição e registro de arma de fogo protocolados nos últimos cinco anos, para identificar casos de indeferimento com base na exigência de comprovação da necessidade.

O MPF requereu ainda multa diária de R$ 200 mil à União e de R$ 10 mil aos agentes públicos que descumprirem uma eventual decisão favorável aos pedidos.